terça-feira, novembro 14, 2006

O fundo do mar

Hoje fui à pesca e não apanhei nada, por isso deixo-vos um pequeno poema sobre o fundo do mar e as criaturas que nele vivem.

Fundo do mar

No fundo do mar há brancos pavores,
Onde as plantas são animais
E os animais são flores.
Mundo silencioso que não atinge
A agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas redondas,
Baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
No desalinho
Dos seus mil braços,
Uma flor dança,
Sem ruído vibram os espaços.
Sobre a areia o tempo poisa
Leve como um lenço.
Mas por mais bela que seja cada coisa
Tem um monstro em si suspenso.
Sophia de Mello Breyner
Obra Poética
ICaminho

1 comments:

Anónimo disse...

a sophia... nem a propósito... essa sonhadora que dizia que só poderia viver em 2 cidades em todo o mundo... por acaso vivo recentemente numa delas... aposto que foi nesta na qual se inspirou para escrever este poema :)
keep the good work!