terça-feira, maio 22, 2007

Spinning nocturno: que amostras? (3)

Esta talvez seja a pergunta mais feita quer por iniciados quer mesmo por pescadores mais experimentados. Que amostras são mais indicadas para pescar à noite? Como não podemos dizer que existem amostras infalíveis podemos tentar descortinar algumas regras básicas que pela experiência e pela prática nos levam a avançar que para a noite amostras escuras funcionam bem.
A regra aqui é semelhante à do corrico, águas claras amostras claras e águas escuras e noite amostras escuras. Uma amostra que dá excelentes resultados nocturnos é a Flashminnow Aurora Black, da Lucky Craft, apenas para dar um exemplo concreto. Também é verdade que de noite os robalos se sentem muitas vezes atraídos por amostras brilhantes, especialmente em noites claras em que a lua se faz mais notar, permitindo a amostra brilhar quando dá de flanco com as animações de ponteira que produzimos. Também é verdade que em algumas ocasiões as amostras todas brancas também podem dar bons resultados, tal como acontece com os modelos que conjugam o branco e o vermelho ou o preto e o vermelho.






Muitas vezes e mais importante ainda do que a própria cor da amostra que utilizamos são os sons que ela pode produzir e a forma como as esferas que os produzem se movimentam dentro do corpo da amostra. O ruído é uma arma muito importante para o pescador conseguir levar os robalos a atacar a nossa amostra, tornando-se indispensável na pesca nocturna (e até na diurna em muitas ocasiões) pois irá atrair mesmo os peixes que se encontram a maiores distâncias.

Para a noite as amostras que serão provavelmente as mais fáceis de utilizar serão os jerkbaits, que afundem pouco e tenham comportamentos enérgicos dentro de água, mesmo com animações mais simples. A utilização de amostras de superfície torna-se mais complicada para quem tem menos experiência ou para quem não conheça muito bem os pesqueiros, pois a sua animação depende muito de conseguirmos ver as amostras. Ora de noite isso torna-se impossível e teríamos de as animar com base na experiência e na intuição e isso nem sempre é fácil especialmente para quem está a começar nesta pesca.

A nossa escolha deve ser feita tendo em consideração a facilidade de lançamento e de animação das amostras e não apenas em função da cor. Não valerá muito a pena levar aquelas, com cores muito boas mas que sejam difíceis de animar porque de noite ainda teremos mais dificuldades para o fazer.

Spinning nocturno: regras básicas (2)

Em termos de equipamentos, não são necessários elementos adicionais, tirando a indispensável lanterna de cabeça (e sempre uma suplente) para nos permitir ver na noite. Primeira regra fundamental que aqui deixamos e que vemos muitos pescadores não respeitar é evitar ao máximo apontar as lanternas para a água pois iremos contribuir certamente para afugentar o peixe. Mesmo de noite a discrição é fundamental não se esqueçam.

Segunda regra fundamental para quem pesca de noite (e mesmo de dia) é a segurança. Se a escuridão permite melhores resultados também potencia a ocorrência de acidentes, muitas vezes com consequências desagradáveis para a nossa integridade física. Assim, devemos ter atenção redobrada com as pedras que pisamos, com as ondas, que nos podem surpreender em praias de declive mais acentuado, com buracos em zonas de rochas e com o avanço para coroas de areia quando o mar o permite. Torna-se fundamental uma observação do pesqueiro durante o dia que nos permita não apenas ficar a perceber a morfologia do local onde iremos pescar como também nos dê algumas coordenadas em termos de avanço do mar.

Finalmente, uma terceira regra que varia de pescador para pescador é a questão do vestuário. Não há nada pior do que estar a pescar com frio ou molhado, por isso convém ter algum cuidado com este aspecto. Pessoalmente prefiro pescar à noite com fato de mergulho, mais quente, confortável e seguro, sempre que vou para pesqueiros onde o mar irá chegar (coroas, lagedos, por exemplo) ou com fato impermeável completo quando opto por pesqueiros na praia. Ficar com frio numa sessão nocturna é condená-la ao fracasso pois na maior parte das vezes teremos de ir embora ou arriscamos uma valente constipação.

Spinning nocturno: à procura dos robalos (1)

Qualquer pescador sonha com a captura de um bom exemplar, daqueles que levam o material ao limite e elevam os nossos níveis de adrenalina. Pois esses exemplares não são impossíveis, estão ao alcance das nossas amostras e muitas vezes a noite é a nossa melhor aliada para os capturar.


É bem possível que a maior parte dos adeptos da pesca com amostras considere que à noite não seja possível pescar ou que se torne demasiado complicado trabalhar as amostras sem ter uma visibilidade perfeita das mesmas de forma a conseguir controlar os seus movimentos e as suas reacções. Na verdade, as coisas são bem diferentes e torna-se possível não só pescar com amostras como também obter excelentes capturas, como já o podemos comprovar na prática.

O conhecimento do pesqueiro e a capacidade para saber ler o mar, acabam por ser os factores mais determinantes neste tipo de pesca, devendo o pescador dedicar algum tempo para a observação do mar e da zona onde irá pescar. Para ter esse conhecimento nada é melhor do que observar as praias na maré vazia, ver onde estão as rochas, ver a sua forma, se estão mariscadas ou não, se têm ou não tendência para prender as nossas amostras. Detectar onde estão os caneiros, ver por onde escoa o mar a água para perceber onde estará o peixe à espera do alimento, ver onde se encontram os fundões e as coroas de areia, ver se estas se movimentam e qual o sentido em que se deslocam.

Esta observação deverá ou poderá ser complementada com a tomada de referências terrestres que nos permitam depois saber com alguma certeza para onde estamos a lançar a nossa amostra pois disso irá depender o sucesso das nossas pescarias. Podemos e devemos aproveitar o dia para ir “explorar” as zonas de pesca onde iremos pescar à noite, para perceber com exactidão onde conseguimos fazer os nossos lançamentos, ver como o mar trabalha com a nossa amostra e até a velocidade de recuperação que devemos adoptar para a colocar no local que faz a feição para dar peixe. Se isto vos pode parecer preciosismos, podemos assegurar-vos que são eles que fazem toda a diferença quando vamos pescar de noite e até de dia.

É esta percepção que temos dos pesqueiros que permite depois toda aquela sensibilidade no lançamento e na recuperação que fazem com que determinado pescador pareça ter sempre mais alguma coisa do que o companheiro do lado. Esse factor, a que muitos até chamam de sorte, conquista-se com a persistência e com a dedicação a esta pesca que tanto tem de apaixonante como, por vezes, de desesperante. E nesta modalidade isto faz mesmo toda a diferença.

Berkley Fireline Crystal



Um Passo à Frente
A empresa norte-americana Berkley lançou como novidade para 2007, um entrançado translúcido que pretende revolucionar os conceitos de pesca com este tipo de linhas, combinando a discrição de um monofilamento com a resistência do Fireline.

De facto estamos perante a primeira linha multifilar translúcida que consegue aliar à pouca visibilidade dos monofilamentos a grande resistência das linhas Fireline. A Berkley consegue desta forma ir ao encontro daqueles pescadores que ainda demonstravam algumas resistências à utilização de multifilamentos em razão da sua grande visibilidade dentro de água.

O Fireline Crystal é apresentado em três versões: a Competition, com diâmetros extremamente baixos, especialmente indicada para a competição. Começando nos 0.038, com uma resistência de 3.53 kg, acaba nos 0.089, com uma resistência indicada de 5,697 kg. É uma linha que pensamos que poderá fazer furor entre os adeptos da pesca à bóia que necessitam de linhas muito finas mas com muita resistência. Depois temos o Crystal Regular que cobre basicamente todos os diâmetros que encontramos no Fireline, com a introdução de três novos diâmetros muito finos que vão do 0.04 ao 0.08 mm. Finalmente temos ainda o Crystal Ice destinado às pescas no gelo.

O Crystal é uma linha virtualmente sem memória e sem elasticidade, mas ao mesmo tempo muito macia e fácil de utilizar, permitindo excelentes lançamentos e sem as tradicionais cabeleiras que alguns multifilamentos por vezes fazem. Também ao nível dos nós, esta linha se revelou uma boa surpresa, demonstrando grande resistência.

sexta-feira, maio 18, 2007

A Matadora Flashminnow

Partilho convosco a amostra que mais peixe me tem dado nestes últimos tempos. A LuckyCraft Flashminnow MR 130 Aurora Black. Tenho também pescado com algumas cores novas que vou colocar também aqui no blog brevemente. Das várias cores já utilizei com sucessso a American Shad e a nova cor Metalic Sardine. Esta é, meus amigos, uma verdadeira matadora de robalos, especialmente indicada para pescas em águas pouco profundas. Lança muito bem e trabalha-se sem grande dificuldade tendo um comportamento fabuloso dentro de água. Experimentem que não se irão arrepender. Conselho de amigo. Existe agora uma versão 110 mm que é também um espectáculo.



Flashminnow MR 130
Classe: SUSPENDING
Comprimento: 130mm
Peso: 21 grs
profundidade: 1,5 m

Amostra para salemas

A melhor amostra para pescar salemas ao spinning é a Aile Magnet da Yo-Zuri, principalmente se as ferrarem pelas costas. Foi o que me aconteceu numa das últimas noites em que fui spinnar ali para os lados da Ericeira. Um agulha, uma salema e para acabar a noite em grande... dois pneus furados, muito provavelmente por algum elemento da "Liga de Defesa dos Robalos Só para Alguns" lá do sítio preocupado com a "razia" que eventualmente pudéssemos vir a fazer no seu quintal.

Digam lá se não é uma bela captura? É assim, enquanto a uns calhavam uns bons robalos a mim calhou-me esta amiga na rifa. Ganda Salema!!!

quinta-feira, maio 17, 2007

Uma cana para o spinning


Meus amigos ultimamente tenho tido o privilégio de pescar com a Lucky Craft LCF962MHK, uma excelente cana de spinning de mar. Leve e fácil de pegar, permite animar muito bem as amostras sem que fiquemos cansados ao fim de pouco tempo. Lança muito bem e tem um cabo bem pensado que ajuda muito com peixes maiores.



Estou muito satisfeito com ela e considero-a uma das melhores que estão disponíveis no nosso mercado. Podem encontra-la na www.bassnbait.com, uma loja online de venda de amostras e material para a pesca do achigã e robalo que está a começar mas que sabe muito bem o que faz tendo à frente pessoas conhecedoras do ofício e da arte de spinnar.



Deixo-vos uma foto de uma das pescas feitas com esta bela cana para que possam ver que não é apenas uma opinião teórica. Tive realmente a possibilidade de a testar com peixe e o resultado foi muito bom. Trabalha o peixe com grande capacidade, nunca se sentindo falta de potência da cana mesmo perante o peixe maior.


LUCKYCRAFT LCF-962MHK

Peso: 250g
Comprimento: 2,90 m
Nº de partes: 2
Acção: 10-30g
Freio: 2kgs máximo
Encaixe: Espigão
Passadores: 1 Tripatte Fuji SIC + 8 Fuji SIC
Porta-Carretos: Fuji
Punho: Mousse EVA de Alta Densidade resistente a àgua salgada
Terminal de punho: Borracha anti-choque
Garantia: 2 anos