segunda-feira, novembro 06, 2006

Praia da Légua






A praia da Légua, situada no concelho de Alcobaça, é um dos melhores destinos desta costa para a prática da pesca desportiva. Os seus fundos são diversificados, com zonas de rochas, intercaladas com fundos de areia e alguns fundões. Para além disso alia às possibilidades de pesca a enorme vantagem de permitir levar a família para desfrutar de um excelente dia à beira-mar.


Situada a cerca de 10 km a Norte da Nazaré, a praia da Légua caracteriza-se pelo seu extenso areal de areias limpas, entrecortado por algumas rochas quer a sul quer a norte da entrada principal da praia. É uma praia muito procurada pelos pescadores desportivos da zona, especialmente os que se dedicam ao corrico e que elegem esta praia como uma das suas preferidas. A formação de coroas novas é aqui uma constante e é frequente conseguir-se boas capturas de robalos à amostra ou até ao fundo. Os fundos de pedra, a Norte, propiciam um conjunto de caneiros fantásticos para a entrada do robalo que procura nos buracos cabozes ou polvos. Uma boa observação desses locais na maré vazia é fundamental para encontrar os melhores pesqueiros. Aqui pode também apanhar-se teagem, talvez o melhor isco que podemos depois utilizar na pesca, polvos e até percebes e mexilhão nas marés de lua. Para quem queira aventurar-se na vazante a corricar nas coroas de areia que se formam é aconselhável o uso de fato de mergulho ou uns wadders de neoprene. Para as crianças forma umas “piscinas” nas horas da vazante permitindo momentos de grande diversão para os pequenos e também para os graúdos. Uma última palavra para os fins de tarde passados a petiscar no restaurante do “Ti Abílio” com o por do sol e o mar ao fundo. Absolutamente imperdivel!!!




À pesca
A Légua é uma praia procurada essencialmente pelos adeptos do corrico e surfcasting, sendo normal encontrar sempre um número razoável de pescadores. Para a pesca ao fundo aconselha-se a utilização de canas de 4.5 m, resistentes e com boa capacidade de lançamento. A Légua costuma ter correntes laterais, especialmente nos pesqueiros a Sul do parque de estacionamento e como tal torna-se necessário por vezes usar chumbadas mais pesadas. A observação destas correntes permite-nos descortinar onde tendencialmente o peixe estará à espera da comida. Para corricar aconselha-se canas leves, entre os 3.90 e os 4.20 que permitam andar pelo areal sem cansarem demasiado o pescador. Geralmente pesca-se à chumbadinha ou à bóia de água com pingalim ou raglou. As cores típicas desta praia são o verde claro e o vermelho para a noite.
As espécies mais frequentes são os robalos e os sargos, sendo possível, através da persistência e da observação da praia, conseguir excelentes capturas.

A caminho
Os acessos a esta praia são muito bons e de fácil identificação. O acesso mais fácil tanto de norte como de sul é a auto-estrada A8, saindo-se em direcção à Nazaré. Depois basta apanhar a estrada Atlântica, que liga a Nazaré à belíssima São Pedro de Moel e ir junto ao mar e entre o pinhal de Leiria até encontrar a indicação para a Légua. Refira-se também que a Légua é apenas uma das muitas praias a explorar nesta zona da costa portuguesa, sendo uma excelente zona de férias para quem gosta da natureza e do mar.

2 comments:

A. Ferreira disse...

Andas distraído amigo FC... tão distraído que assinaste o post, hehehe.

Olha, põe também umas fotos, um post só com texto perde metade da força.

Também podias experimentar outra "skin" esta é demasiado "americana", LOL

Abraço,

Malta de Peniche disse...

Caro FC ... aqui em baixo ... quem nos dera que tais barbeiros encostassem ... e que assim sendo ... que a Mãe Natureza nos presenteasse com pesqueiros lindos, e condições excelentes tais como os vossas .. ! Digo isto devido a umas fotos que vi da vossa zona pescatória e das amostras que voçês mais trabalham e falam no artigo deste mês da revista "Mundo da Pesca". Realmente o artigo é integralmente completo se tivermos em conta pesqueiros ,que rodeados de baixas, coroas e fundões .. impossibiltam as ondas de atrapalhar o normal desempenho de amostras de superficie. Nós por cá, aliado á falta de grandes extensões de pesqueiros mistos(rocha e areia) ainda temos que lidar com belas e fortes nortadas que varrem a praia impossibilitando este tipo de pesca. Sem querer dizer que o problema de não haver "torpedos" por aqui é da costa .. resigno-me apenas a referir as já famosas redes de emalhar, aparelhos e conhecidos, "corrimões", ilegais , plantadas a 20 metros do areal, os quais não contentes com os avós e bisavós, ficam também com os filhos , netos e bisnetos! É triste e realmente tira a nossa pica por esta nova arte, tão técnica e bonita! Gostei bastante do artigo e sem duvida, todos os praticantes ou futuros praticantes se deliciarão com a sua generosidade de conhecimento !! Muito Obrigado e um Abraço !! Que haja compaixão e respeito pela Natureza e muitos mais para nos pôr um sorriso de orelha a orelha como é caracteristico! Viva aos Cabeçudos !!