Avançar para o conteúdo principal

Pesca lúdica reconhecida pela UE

No passado dia 15 de maio o Comité das Pescas do Parlamento Europeu adoptou uma resolução convidando a Comissão Europeia a avaliar o papel da pesca recreativa na Política Comum de Pescas de modo a que os dois tipos de pesca, lúdica e comercial, possam ser geridos de maneira equitativa, equilibrada e durável para que, dessa forma, seja possível alcançar os objectivos desejados em matéria de sustentação dos recursos marítimos.

O relatório intitulado "Situação da Pesca Recreativa na União Europeia" foi escrito pela deputada Norica Nicolai que preside igualmente o Fórum sobre a pesca recreativa e o ambiente aquático.

O relatório contem um conjunto de mensagens e sugestões muito positivas sobre a pesca recreativa e a sua importância para a economia europeia reconhecendo que a mesma gera cerca de 10.5 milhões de euros por ano, contando apenas com a vertente da pesca no mar e que gera cerca de 100 000 empregos permanentes no espaço da União.

Estas são verdadeiramente boas notícias para todos nós que gostamos do mar e da pesca. Torna-se cada vez mais importante ter consciência de que os recursos são escassos e finitos e, como tal, devemos adoptar uma postura responsável perante a pesca...para que possamos pescar mais anos e com qualidade.

Podem consultar o relatório aqui: Relatório sobre o estado da pesca recreativa na UE

Boas pescas!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Algumas perguntas sobre corrico...

Deixo aqui algumas perguntas que me costumam fazer sobre esta técnica de pesca tão fabulosa como é o corrico. Como escolher um pesqueiro para corricar? A escolha do pesqueiro depende de um conjunto de determinados factores que quando se conjugam podem permitir algumas pescas de grande sucesso. Temos assim que perceber que o robalo é um predador portanto irá estar onde estiver o alimento. Logo um dos locais mais procurados por ele são as saídas de rios ou lagoas que permitem que a comedia entre mar dentro. Também as coroas são locais onde abunda o alimento e onde por consequência estão os nossos robalos. Uma correcta observação do mar para entender o movimento das areias e perceber se as coroas são novas (situação ideal) ou não pode render bons resultados. Outros dos locais onde os podemos procurar com sucesso são os caneiros, ou seja, passagens em zonas de rochas onde os robalos caçam e esperam pela comida que lhes é trazida pela corrente. A aposta deve ser feita nestas zonas mesmo sa

A cor das amostras no buldo e corrico

As cores das amostras são as mais variadas e a sua utilização e escolha depende de vários factores, de entre os quais podemos destacar a tonalidade da água, o estado do mar e do tempo, a hora do dia e a zona em que pescamos. As cores sofrem a influência da luz solar filtrada pela água do mar e isso significa que em muitas ocasiões as cores que as amostras apresentam fora de água poderão não ser exactamente aquelas que terão dentro de água. Essa escolha depende ainda da própria intuição do pescador para a utilização de determinada amostra. Não devemos pescar sempre com as cores tradicionais nem com as amostras que os outros pescadores possam estar a utilizar. Não são raras as vezes em conseguimos boas capturas com aquelas amostras com que seria menos provável apanhar peixe. Tendo em conta o que foi dito antes e alguns conselhos dos “profissionais” do corrico, podemos tentar estas combinações: - Águas abertas e dias de sol pedem amostras claras, com brilhantes ou transparentes; - Águas