sexta-feira, julho 24, 2009

Amostras suspending

Estas amostras, como o nome indica, ficam suspensas a uma determinada profundidade.
Será que não conseguimos fazer trabalhar as amostras flutuantes ou afundantes à mesma profundidade do que as amostras suspending? Até podemos consegui-lo, mas tiraremos o mesmo partido?
As amostras suspending foram concebidas para afundar até uma determinada profundidade e aí serem trabalhadas. A situação ideal para a sua utilização é quando temos peixes em “suspensão”, uma vez que a amostra se mantém mais tempo dentro da ZONA DE ATAQUE (Será uma esfera imaginária em volta do peixe, sendo este o seu centro. Esta zona vai aumentar ou diminuir, dependendo de vários factores, sejam eles a visão, a audição, o olfacto ou outros que possam influenciar o seu metabolismo ou comportamento).
Animações para estas amostras: o twiching, o jerking e o stop and go.
Uma sugestão de trabalho para amostras suspending:
Quando localizo peixe a uma determinada profundidade ou visualizo alguma estrutura submersa onde seja provável encontrar peixe, faço o seguinte: lanço a amostra um pouco para além do alvo para não provocar ruído que possa desencadear fugas possíveis; deixo-a afundar, dando dois toques de ponteira com alguma força; faço uma paragem (conto 1, 2, 3, 4, 5) e volto a dar um toque de ponteira; faço mais uma paragem, recupero e volto a repetir.

Boas animações

Alexandre Alves

P.S. Se a minha sugestão resultar, libertem esse peixe e fiquem com o próximo, se for a vossa vontade, e lembrem-se dos 42cm.

5 comments:

Zebu44 disse...

Okapa.

As nuances da pesca estão sempre na mais minima.

Xandre, tu sim. Estás em sintonia.

Seja 42 ou 89, por mim eram todos, mas para isso era preciso que os tivesse na ponta da linha. Pelo menos 2 ou 3.

AB
Nuno

Gouveia disse...

Quem me tira a flash 110 tira me tudo. Boa Xandre.

Anónimo disse...

Boas Xandre
As amostras suspending é um tipo de amostra(Duo 145 SLD são as que tenho) que gosto de usar e abusar e que já me deram bons resultados em pesqueiros que têem uma escoa forte onde depois de lançar as tento manter no mesmo sitio dando apenas toques de ponteira já que a própria escoa as faz trabalhar.

ABRAÇO
Vai dando umas dicas que o pessoal agradece hehehe

Carlos Lázaro

xandre disse...

Boas, Amigo Carlos

Realmente, a Duo 145SLD pode ser classificada como uma amostra suspending mas ainda se enquadra melhor num novo conceito de amostras que são as Slow Floating e as Slow Sinking. Estes tipos de amostras, quando paramos a recuperação, vão ascender ou descender lentamente, respectivamente se são Floating ou Sinking.
Para tirar partido deste novo conceito é importante não esquecer o STOP AND GO, tendo atenção ao facto de que as paragens devem ser mais prologadas para que a acção se faça notar na coluna de água.
Carlos, uma boa dica é a tua, aproveitar a escoa é algo que nunca devemos esquecer e se for possível trabalhar a amostra e dar folga ao carreto é ouro sobre azul.
Analisando a dica do nosso amigo:
A amostra Slow Floating lançada para a escoa, vai fazer com que esta se mantenha a trabalhar e afunde. Quando a escoa pára ou abranda, a amostra vai subir, e assim a amostra no mesmo local mas explorando a coluna de água. Com os toques de ponteira vamos fazendo umas animações extras e mantendo-a no mesmo local. Para maior controlo podemos ainda trabalhar com a cana, fazendo-a afastar-se ou aproximar-se (dependendo da intensidade da escoa) do local onde está a amostra, assim fazendo com que ela recue ou avance sem ser necessário usar o carreto e mantendo-a mais tempo num provável local de ataque.
É com estes subtis pormenores que nosso amigo Carlos nos deslumbra com bonitos exemplares.

Abraço
xandre

André disse...

Obrigado pela sugestão e por mais uma aula caro Xandre!

Abraço