quarta-feira, novembro 25, 2009

Quando o tempo ainda era quente...

...eu e o Alexandre fomos fazer uma pesca à noite, num dos primeiros dias de Outubro, em que os dias ainda eram amenos.

O nosso objectivo eram os robalos.
Eu pesquei com vinis montados com cabeçotes de vários pesos e o Alexandre com vinis e swimbaits rígidos.

As horas iam passando e nada, nem um toque ou algo que se assemelha-se.

Até que por fim vejo a cana do Alexandre bem dobrada e o silvo do drag do Twinpower 4000 FA a disparar.

Corridas longas e fortes, com paragens de "colar ao fundo". Rapidamente nos apercebemos que era uma corvina que estava ferrada.

Depois de alguns minutos e de uma verdadeira lição ao vivo e a cores de como trabalhar um peixe grande e combativo usando o conjunto cana + carreto, eis que por fim se dá terminada a luta depois de o Alexandre encalhar o animal e lhe jogar o "grip".


Depois de pesada marcou 14 kilos na balança analógica.
Ficou demonstrado como a potência de uma cana não se reflecte directamente no seu casting weight.
O Alexandre usou uma Lucky Craft ESG II de 2,70 m, de acção extra rápida e com um c.w. de 10-30 gramas, no entanto mais uma esta cana provou ter um blank poderoso que ajuda a controlar e a cansar um peixe de dimensões consideráveis.

Também é da minha convicção que uma cana de spinning dita "normal" (pensando nos 3 metros, de acção rápida ou médio-rápida, como por exemplo a Shimano Speedmaster, Sakura Shukan e Illex Estuary) também é capaz de combater um peixe deste calibre, desde que se tenha espaço para o cansar e se tenha calma, confiança e conhecimento no que se está a fazer.
No entanto, acredito que ao nos aproximar-mos da marca dos 20 kilos, pescando de terra, já é necessário usar-se material que nos dê mais control sobre o peixe.



A amostra utilizada foi um vinil Xorus Rolling Shad, na fantástica cor laranja com um cabeçote da Xorus de 20 gramas (não me recordo do modelo).


Entretanto eu procurava sentir algum ataque.
Montei um Zoom Super Fluke branco num cabeçote Storm Lip Weight de 15 gramas e lancei para uma zona de corrente.



Deixei o vinil afundar, e depois de o sentir a tocar no fundo inicei uma animação em "dentes de serra" recolhento com um toque seco com a ponteira da cana ao alto e seguido de uma pausa, para a amostra subir rapidamente e descer de novo até ao fundo, descrevendo assim um zig-zag na vertical.

Quando a amostra estava a meio caminho entre mim e o local onde estava a trabalhar, ao dar o "esticão" para a amostra subir sinto um impacto súbido.
Tinha ferrado algo, o que é curioso porque normalmente ao pescar com este tipo de animações sinto os ataques quase sempre durante a queda da amostra para o fundo.

A luta iniciou-se com várias cabeçadas rápidas e desconcertadas até que passado alguns segundos pararam e deram lugar a uma longa corrida de força.
O peixe seguia a favor da corrente, e a linha ia saíndo do Twinpower 4000 FB a uma velocidade considerável, com aquele som de drag sobre esforço que todos nós gostamos de ouvir.

Estava a pescar com Power Pro de 15 libras (0,19 mm) + baixo de fluorocarbono Seaguar ACE de 0,37 mm e com um snap clip terminal da Owner de 47 libras, o que é um pouco mais "grosso" do que o que normalmente uso, e como tal tinha o drag relativamente fechado.
Toda a linha que o peixe levava, era levada com o dispêndio de esforço e de energia da sua parte, no entanto o drag estava regulado para ceder linha antes de tanto o multi como o fluorocarbono entrar em risco de ruptura.

Estava claro que era outra corvina que se tinha ferrado, a corrida inical parou e o peixe "sentou-se" junto ao fundo.
Utilizei uma Shimano Speedmaster AX Jigging/Jerking, uma cana curta e potente, que considero perfeita para este tipo de pescas, seja de robalos ou das possíveis corvinas.
Quando o animal se "colou" junto ao fundo fui forçando com a cana e com a mão a controlar, fazendo força para cima, para este "descolar".

O que aconteceu, repetindo-se mais uma corrida de muitos metros e de muita força, onde me restou agarrar na cana ao alto, e esperar que o drag do carreto e o blank da cana começassem a fazer o seu papel a "matar" o peixe.

Passado alguns minutos comecei a sentir uma diminuição de força do peixe, agora deslocava-se na minha direcção à medida que eu ia "forçando".
À medida que recuperava a linha perdida o peixe ia-se aproximando cada vez mais de mim, por vezes dava uma corrida ou outra, mas nada comparavéis às corridas iniciais.

No entanto estes animais são bichos imprevisiveis, e quando já a tinha bem perto de mim, deu uma última corrida cheia de força e foi por um triz que não levou a linha a uma zona com uma grande rocha submersa, ainda senti o fio a roçar em algo (que felizmente para mim não partiu)....ficou a lição prática de nunca substimar um peixe nas partes "finais" da luta (lição que eu próprio já tinha aprendido, mas em alturas destas por vezes a adrenalina tolda-nos um pouco as lições aprendidas).

Finalmente, passados quase 10 minutos, a corvina vem ao de cima, de barriga para o ar.
Agora eu tinha quase a certeza que me tinha "safo".
Depois de a encalhar a seco, o meu amigo Alexandre jogou-lhe o grip e colocamo-la em segurança....


Depois de erguida e pesada na balança analógica marcou 18 kilos.


Obrigado Natureza por estes momentos.
Durante o Verão libertei várias "rabetas" de 2, 4, 6 e 8 kilos, tenho a crença que essas atitudes são mais tarde recompensadas em momentos como este!

Até ao próximo lance!

Pedro Russo, member of Robalos nas Ondas Argyrosomus Regius Division.

5 comments:

Spinn Master disse...

boas,

fotos destas podem mostrar sempre que quiserem...
Os olhos até crescem quando se olha.

Continuem assim, Spinn Master

MR disse...

Tambem quero ;(

Espectaculo Xandre e Pedro, grandes burras
Parabens amigos, Keep on rocking que a malta agradece.

Ab

Pedro Russo Baião disse...

Obrigado Miguel!

Continua a dar-lhe aí na pesca urbana, isso aí tem alto potencial ;)

Um abraço!

MR disse...

Pedro Russo Baião disse...
Obrigado Miguel!

Continua a dar-lhe aí na pesca urbana, isso aí tem alto potencial ;)

Um abraço!


Ya a ver se pó ano dou umas voltas lá masi para perto da foz, na altura das corvinas aver se me toca uma amiga ai só com metade do peso da tua lol

Ab

Sargus disse...

Muito bem, parabéns aos dois pelas capturas e parabéns a ti Pedro pelo relato.

;)

Continuem, já agora Pedro tens de puxar um pouco mais pelo Lord Labrax que ele tem andando um pouco em baixo ;)

Grande abraço Xandre e Pedro.

;)